O que fazer com a ansiedade?

ansiedadeMuitos aconselham : Aceite a vida como ela é, ou, aceite as pessoas como elas são.

Em primeira análise parece algo simples de se fazer. Deixar as frutas amadurecerem, dar-nos o tempo de curar as feridas internas para então nos envolvermos em novas aventuras, esperar aquela paixão arrefecer dentro do peito, aguardar com paz e serenidade os acontecimentos, aguardar o tempo da vida em oposição ao nosso desejo, nossa vontade.

O desejo espera?
O amor espera?
A vontade de nos libertarmos do que nos aflige espera??

Já disse um Mestre: “Tudo Passa”

Em tempos de ansiedade coletiva, onde se quer tudo pronto para ontem, onde as informações e exigências são imediatas.

Seja bom:
– Profissional
– Pai/Mãe
– Esposa/Esposo
– Saudável
– Moderno
– Sensível
– Amante
– Culto/informado/independente/educado/carinhoso/esportista/líder/ousado..

SOCORRO!!!

Onde esta o Wally?? Onde esta esse ser humano perfeito, potente, acabado, pronto?? Onde esta?

Estamos nos deixando ser atropelados pelo mundo, pela mídia, pelos outros. Tantas e crescentes necessidades a serem cumpridas para enfim SERMOS ALGUÉM, termos felicidade e satisfação.
E existe caminho para essa “satisfação” que vem de ter, de fazer, de aparentar para SER? Se o que se É já nasce conosco.
Estamos cultivando o “deus da parecença”, afirmando que toda essa falta tem que ser preenchida com tudo que vem de fora e pode ser percebido pelos olhos dos outros. Senão não tem valor, não tem aplauso, não nos inclui no time dos admirados.

Nunca se tomou tantos remédios quanto agora, nunca na história da humanidade se observou o número de depressivos como agora.
Qual o caminho de volta? Onde podemos encontrar paz, serenidade, aconchego, satisfação. Onde?
Os anos passam, a tecnologia toma posse de nossos dias, mudam-se os hábitos, os conceitos, as regras do “certo” e as questões humanas permanecem as mesmas. As dores ainda tem sua fonte nos mesmos nascedouros internos: apegos, expectativas, ilusões, controle, necessidade de reconhecimento, baixa auto-estima, carência, necessidade de aprovação e o maior de todos os vilões o MEDO.. de falhar, não ser bom suficiente, não ser amado, não dar certo, não corresponder as expectativas e não suportar o próprio julgamento e auto sentença de punição. Então passamos a não querer mais, não desejar mais, não sonhar mais, não Ser mais.
Preenchemos assim nossa vida com trabalho, filhos, amores, cursos, a vida dos outros, tudo que possa ocupar nosso tempo, foco e energia. E não sobra tempo para refletir, interiorizar, sentir, perceber, Ser.

Vamos passando pelos dias, horas, semanas, meses, anos, sem tempo para existir plenamente, contemplar o milagre da vida. E frases como: a vida é dura, matar um leão por dia, amar é sofrer vão tomando espaço em nossa mente povoando nossos pensamentos, turvando nossa visão e ditando nossas ações.

Mas de fato, somos livres para mudar os rumos dessa história, olhar de um outro ponto de vista, fazer novas escolhas, viver uma nova vida. A qualquer momento, qualquer instante é tempo de abandonar a massa, dar a volta, escolher um novo caminho, novas crenças, onde ser feliz é possível e AGORA, não amanhã, não só depois de, só quando, só se..

Seu tempo é agora. Abandone o conhecido, a estrada asfaltada, os velhos hábitos e a antiga identidade de quem você é. Experimente ser somente um espaço onde a vida acontece, sem passado, sem história, sem lembranças de quem foi, do que gostou, de que tipo de pessoa confia, de quem pode te fazer feliz. Permita-se reinventar-se a cada amanhecer, brincar de ser facetas suas, desejos seus, sem forma pré estabelecida. Vista uma roupa diferente, vá a um algum lugar que nunca foi, comece um curso de dança, percussão, teatro, surf, argila, jardinagem. Ouça mais música, dance mais, fale com as pessoas na rua e sorria, sorria, sorria da chuva, do sol, da nuvem, do cachorro, do calor, do frio e até da própria dor, porque nada de fato é tão importante assim. Se experimente, tenho certeza que você encontrará alguém ai dentro por quem ficará completa e eternamente apaixonado.